Logo Radio Divinópolis
Logomarca

Saúde

Voltar
Facebook Twitter

Infarto Agudo do Miocárdio : O que preciso saber?

imagem

O infarto agudo do miocárdio (IAM), ou enfarto, é caracterizado pela morte do tecido cardíaco devido à falta de oxigênio. Na maioria dos casos, isso acontece quando há uma oclusão ou entupimento nas artérias coronárias, impedindo a chegada regular de sangue a esta região.

Quando pensamos em IAM, geralmente vem à mente o consenso geral de dor súbita no peito. No entanto, nem todo ataque cardíaco começa com este sintoma. Por vezes, o organismo apresenta sinais mais leves e menos óbvios, podendo ser confundidos com problemas digestivos.

Quais são os sintomas de infarto, afinal?

Os sintomas podem incluir dores, de fracas a intensas, no centro do peito. Pacientes relatam pressão na região, que pode ser intermitente, durar alguns minutos ou até meia hora. Algumas pessoas confundem estas dores com o desconforto causado pela azia, ocorrendo com ou sem a ingestão de alimentos.

Além disso, pode ocorrer dor ou desconforto nos membros superiores, sendo mais frequente no lado esquerdo. Essas dores podem ser sentidas nos braços, nas costas, no pescoço ou na mandíbula, sempre mais prevalente à esquerda nessas regiões. Há ainda relatos de falta de ar acompanhada ou não de dor no peito, sudorese intensa (suor), tontura e indigestão. Também podem ocorrer náuseas, agitação, sensação de morte iminente ou mesmo perda dos sentidos.

Pacientes diabéticos podem ter o infarto sem dor, devido ao comprometimento da sensibilidade (neuropatia diabética) pela doença de base. Nesses casos, é preciso estar atento aos sintomas secundários que não são a dor. É importante observar cansaço intenso ou dispnéia (falta de ar) após a prática de atividades físicas.

Por que é importante estar atento aos sintomas?

Como dito antes, por alguns sintomas serem menos precisos, o paciente pode demorar a procurar ajuda. É importante buscar aconselhamento médico ao menor sinal de desconforto, evitando a perda de tempo.

Sendo assim, é importante estar atento e reconhecer possíveis sintomas. Assim, você poderá reconhecer se vier a sofrer desse mal e até mesmo ajudar outra pessoa. A rapidez do atendimento é decisiva nestes casos.

O que fazer ao notar sintomas?

Se você notou algum destes sintomas, é aconselhável chamar por socorro ou ir a um hospital o quanto antes. Não se deve andar muito, carregar peso ou dirigir neste momento.

Se você perceber os sintomas em outra pessoa, deve tomar algumas medidas enquanto espera por ajuda médica. Primeiro, mantenha a pessoa calma, aquecida e afrouxe as roupas da mesma, mantendo-a em repouso. É importante transmitir confiança ao enfermo e evitar que ele coma, beba ou tome remédios neste momento, exceto sob orientação médica.

Caso haja perda de pulso ou parada respiratória, será necessário iniciar as manobras de ressuscitação cardiopulmonar. Evite transportar a pessoa desfalecida, mantendo-a em uma posição confortável, ligeiramente inclinada.

Existem fatores de risco?

O IAM é mais comum em homens com mais de 45 anos e mulheres com mais de 55 anos. No entanto, há outros fatores de risco, como estresse, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes, obesidade, sedentarismo e altos níveis de colesterol.

Este é um quadro igualmente comum para indivíduos que possuem histórico familiar ou pessoal de doenças cardíacas e depressão. Diabéticos que não recebem o tratamento adequado também são mais propensos a enfartar.

É importante buscar aconselhamento médico caso haja alguma dúvida. Receber o tratamento necessário é primordial para manter a saúde e a qualidade de vida. Consulte um profissional especializado.


Fonte: StartMedClinic